Controle da Qualidade do Ar Interior no combate a transmissão aérea de vírus

A Qualidade do Ar Interior – QAI, assumiu notável importância tendo em vista que pode ser uma das variáveis mais importantes para mitigar o contágio da COVID19 em ambientes fechados como escritórios, estabelecimentos comerciais, educação, saúde, hotéis, etc.


Para que tomem os devidos cuidados na hora de decidir sobre o investimento na sua aquisição em sistemas de ar condicionado, descrevemos de forma concisa a irradiação direta de superfícies por luz ultravioleta (UVGI) e a foto catalização (PHI), diferenças substanciais e aplicação para a melhoria da qualidade do ar interno e redução de vírus e bactérias, incluindo a Covid-19.


Radiação ultravioleta e sua aplicação em climatização

Os efeitos da radiação ultravioleta na natureza são bem conhecidos, basta lembrar que onde o sol incide diretamente, não ocorre proliferação de fungos e bactérias. A radiação ultravioleta é aplicada, atualmente, em sistemas de climatização de duas formas completamente distintas: a irradiação direta de superfícies e a foto catalização.


Luz ultravioleta germicida

A ação germicida da irradiação ultravioleta é conhecida e aplicada há mais de um século. A faixa de radiação com comprimento de onda entre 200 e 300 nm, conhecida como UV-C, é muito eficiente em desativar fungos, bactérias e mofos, desde que aplicada na dosagem adequada, lembrando que dosagem é dependente do tempo de exposição e da intensidade da radiação.


Um aspecto importante da radiação ultravioleta é que ela é prejudicial aos seres humanos, causando queimaduras na pele, na córnea ocular e na retina. Por este motivo deve ser evitada exposição à radiação UV, e muitos países possuem legislação proibindo exposição direta à luz ultravioleta.


A luz ultravioleta germicida (UVGI) é aplicada em sistemas de climatização para a desinfecção de superfícies, encontrando aplicação maior na limpeza e proteção de serpentinas. O seu uso como purificador de ar é limitado pelas altas velocidades adotadas em dutos, o que requer irradiação de alta potência para garantir sua efetividade, ou ainda trechos de dutos de grande comprimento dotados de lâmpada UV-C. É importante ter em mente que a UVGI só elimina os microrganismos que passam pela luz, atuando como um filtro.


Uma analogia interessante é imaginar que estamos trabalhando com sumidouros localizados de contaminantes, que seriam as aberturas de retorno, por onde o ar da sala é aspirado para ser conduzido ao “purificador de ar”.


Luz ultravioleta germicida (UVGI)
Luz ultravioleta germicida (UVGI)

Por ser uma tecnologia bem conhecida e sobre a qual existe normatização aplicável, embora exclusivamente para proteção de superfícies, está sendo recomendada como solução para purificação de ar no ambiente construído.




Foto catalização - tecnologia PHI

A luz ultravioleta dos raios solares, ao incidir sobre óxidos metálicos do solo, ioniza moléculas de vapor de água e de oxigênio, que se unem em peróxido de hidrogênio. O peróxido de hidrogênio é altamente reativo e um dos melhores germicidas conhecidos.


Na natureza o peróxido de hidrogênio é encontrado em concentrações que variam de 0 a 50 ppb (0 a 0,05 ppm) e, quanto maior sua concentração, mais “limpo” é o local, devido ao potencial oxidativo do peróxido, que reage com gases orgânicos e inorgânicos, mata fungos e bactérias, assim como desativa vírus em suspensão no ar ou em superfícies. Este fenômeno é conhecido como oxidação foto catalítica (PCO de Photo Catalytic Oxidation) e, replicado em equipamentos, tem sido aplicado com sucesso há mais de trinta anos na purificação de ambientes.


Purificador de ar com tecnologia PHI
Purificador de ar com tecnologia PHI

Os purificadores de ar RGF Environmental, que utilizam oxidação foto catalítica em seu próprio processo patenteado, a Photo Hydro Ionization (PHI) são dimensionados para que seja assegurada concentração de 20 a 50 ppb no ambiente tratado, simulando as melhores condições naturais. Todos os resultados favoráveis de testes de eficácia realizados tiveram como patamar mínimo este nível de concentração.


Voltando à analogia anterior, seria como tivéssemos espalhados pelo ambiente construído uma infinidade de sumidouros. É o único modo de efetivamente dificultar o caminho da transmissão aérea, além do uso de equipamentos de proteção individual, como as máscaras de proteção facial.


É importante lembrar que os seres multicelulares têm proteção contra o peróxido de hidrogênio. Em concentrações normais, não nos faz mal. O valor limite de concentração de peróxido de hidrogênio admitido para ocupação laboral em regime de 8 horas diárias é de 1000 ppb, ou seja, vinte vezes superior à maior concentração pretendida. Ainda mais, a concentração limite acima da qual se pode esperar danos à saúde é de 75.000 ppb. Muito longe do que se está tratando.



Escrito Por:

Ricardo Cherem de Abreu - Dannenge International

Sergio Guzman – Trane Chile


Disponibilizado por:

Eng. Alexandre Yukio Kitagawa

alexandre.kitagawa@valeclima.com.br